Número 1 (2006)‎ > ‎

Cibertextualidade(s) [conteúdos]

Cibertextualidades #01

INTRODUÇÃO


Cibertextualidade(s)
- Rui Torres

Os autores que participam nesta publicação fazem investigação numa área disciplinar que é atravessada, e contestada, por duas regiões do conhecimento. Transitando entre a tecnologia e a escrita, promovendo o estudo da cultura na hipermédia, tendo assimilado a relação entre arte e computador, eles testemunha(ra)m as fronteiras que sustentam as retóricas da especialização dos saberes e propõem agora pontes de diálogo, contribuindo desse modo para o debate recente das artes digitais. Além disso, fazendo da prática o método experimental da teoria que tentam assim edificar, apresentam aqui uma reflexão acerca das condições de existência dos textos cibernéticos que experimentaram, apontando o aparecimento de linguagens que, organizadas num conjunto de novas características e modalidades, se configuram naquilo que apelidamos de cibertextualidades.

Download da introdução no Repositório Institucional da UFP

ENSAIOS

Aspectos quânticos do Cibertexto
- Pedro Barbosa

A teoria quântica, originariamente concebida como teoria física para ser aplicada à estrutura íntima da matéria e às propriedades paradoxais das micropartículas (electrões, protões, átomos, moléculas), encerra pressupostos filosóficos que abrem uma nova maneira de pensar a realidade. Sabemos o risco que comporta a extrapolação, tantas vezes fantasiosa, desta teoria para outros níveis de organização do real. No entanto, Lothar Schäfer (químico quântico) é peremptório em afirmar que não é só no campo da microfísica que tais propriedades se manifestam: “As moléculas são a base da vida e as moléculas são sistemas quânticos. Todas as coisas, pequenas ou grandes, existem em estados quânticos.” E o matemático Roger Penrose corrobora: “A mecânica quântica está omnipresente mesmo na vida quotidiana, e encontra-se no cerne de muitas áreas de alta tecnologia, incluindo os computadores electrónicos.” Longe a pretensão de invadir um domínio que não é o da nossa competência – são os pressupostos epistemológicos desta teoria que aqui nos importam, não a sua operacionalidade científica. Por isso não levaremos a nossa ousadia muito para além do direito de citar, propondo uma homologia entre o modelo quântico e a teoria do texto, homologia cuja aplicabilidade ao texto gerado por computador se nos afigura particularmente rica de potencialidades. As textualidades inauguradas com o advento da informática, caso do texto virtual, do texto automático, do texto generativo ou do hipertexto, requerem uma correspondente forma outra de encarar o texto e a construção do sentido.

Download do artigo completo no Repositório Institucional da UFP


Média digitais - novos terrenos para a expansão da textualidade - Pedro Reis

A intersecção da literatura com a informática, com especial incidência na poesia animada em computador, que será o objecto em análise neste breve ensaio, acentua a tendência do texto para transpor os limites convencionais, ao intensificar as propostas de interpenetração do verbal com o sonoro e o visual, já presentes em manifestações anteriores, por exemplo, no âmbito da poesia experimental1, mas também como lembra José Augusto Mourão (p. 409 e ss),2 ao entrar efectivamente em movimento e ao prestar-se a modificações, o que implica que as transformações de maior alcance produzidas pela literatura digital no conceito de texto são provocadas pelos textos mais interactivos.

Download do artigo completo no Repositório Institucional da UFP


Tendências da linguagem científica contemporânea em expressividade digital - Sérgio Bairon

Desde o século XVIII, no Ocidente, desenvolvemos a metodologia da ciência como matéria obrigatória em praticamente todas as regionalidades científicas. Esta tradição elegeu a matriz verbal da escrita como a grande representação do pensamento analítico reflexivo. À essência institucional deste pensamento analítico (no meio acadêmico universitário a escrita moldou a fala), composto por um processo de fragmentação dos objetos de pesquisa, somaram-se inúmeras características de fundamentos filosófico-teóricos que, independente de suas variações e abordagens, determinaram a relação leitura/escrita como o único caminho possível à reflexão científica. Neste caminho de historicidade, houve inúmeros momentos que fizeram da divisão (institucional) entre arte e ciência, a expressividade da ruptura entre, de um lado, o predomínio da escrita metodológica na ciência e, de outro, a relevância das manifestações imagéticas e sonoras na arte. Apesar de inúmeros movimentos filosóficos terem defendido a idéia da paridade entre signos de características sonoras, imagéticas e verbais, que estaria presente em todo processo reflexivo, a verdade sempre esteve associada à colusão institucional de que somente a escrita, fruto da leitura de textos consagradamente científicos, poderia representar a condição máxima do juízo analítico. As divisões institucionais entre arte e ciência nos dias de hoje ainda guardam, sobretudo institucionalmente, esta tradição. É deste lugar que pretendo partir à proposição da seguinte problematização: terão as produções hipermidiáticas da década de 90 do século passado e dos primeiros anos deste século, desenvolvidas sobretudo nas universidades brasileiras e alemãs, a possibilidade de demonstrar novos desafios à expressividade do pensamento científico? Este artigo, portanto, pretende ser somente a colocação do problema.

Download do artigo completo no Repositório Institucional da UFP



TESES

O conceito de novas tecnologias e a hipermídia como uma nova forma de pensamento
- Luis Carlos Petry

O conceito de novas tecnologias está associado à utilização do computador pessoal e sua progressiva transformação em ferramenta de utilização nos processos de expressão e comunicação da subjetividade. Pela primeira vez na história, o homem dispõe dos suportes para registrar, armazenar e recuperar, de uma só vez, um mix de informação que combina, numa espécie de sincretismo digital, texto, imagem estática e dinâmica e sons dissolvidos em um mesmo código comum: o código digital.

Download do artigo completo no Repositório Institucional da UFP


Comments